PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

Biografia de Juan Rulfo | O narrador mexicano é uma das principais figuras da literatura espanhola do século x

ADS

Apesar da brevidade de sua obra, o narrador mexicano é uma das principais figuras da literatura espanhola do século x

Um romance e um livro de contos foram suficientes para Juan Rulfo a ocupar um lugar de privilégio nas letras de latino-americanos. Criador de um universo rural distintivo, o narrador é refletido em suas narrativas não só as peculiaridades da idiossincrasia mexicana, mas também o drama profundo da condição humana. Burning plain (1953) reúne 15 histórias que refletem um mundo fechado e violento, onde os costumes tradicionais se move para a ligação com os mitos mais antigos do Ocidente: a busca para o pai, a expulsão do paraíso, da culpa original, o primeiro casal, vida, morte. Pedro Páramo (1955), é os mesmos temas de suas histórias, mas mudou-se para o campo do romance em torno deles, com uma atmosfera sombria e poética. Este livro é também uma prodigiosa arquitetura formal que fragmentou o caráter linear da história.

Juan Rulfo
A cidade mítica de Comala é o cenário para o romance e algumas histórias de Juan Rulfo. Sua paisagem é sempre idêntica, uma vasta planície onde nunca chove, montanhas de queimada, distante de vales e aldeias habitadas por pessoas solitárias. E não é difícil reconhecer nesta descrição, as características de Sayula no estado de Jalisco, onde em 16 de maio de 1918, nasceu a criança que iria mais tarde tornar-se famoso no mundo das letras. Seu nome completo era Juan Nepomuceno Carlos Pérez Rulfo Vizcaíno.
Juan Rulfo dividiu sua infância entre sua aldeia natal e San Gabriel (portanto, a atual cidade de Venustiano Carranza foi chamada), onde ele estudou primeiro e poderia assistir alguns episódios da rebelião cristera, violenta revolta que, para o grito de "viva Cristo Rei!" e o silêncio cúmplice das autoridades eclesiásticas, opõe as leis promulgadas pelo Presidente ruas proibir as manifestações públicas de culto e a subordinação da igreja ao estado.
Rulfo viveu em San Gabriel, até a idade de dez, na companhia de sua avó, para então entrar em um orfanato, onde permaneceu por mais de quatro anos. Pode-se afirmar, sem medo de incorrer em erro, que a rebelião dos cristeros foi determinante na sequência da sua vocação literária, desde o padre da aldeia, com o desejo de preservar a biblioteca paroquial, confiou a avó da criança. Rulfo tinha assim, na ponta dos dedos, quando ele tinha servido apenas oito anos, todos aqueles livros que não demorou muito para preencher seu tempo de lazer.
Aos 16 anos ele tentou entrar na Universidade de Guadalajara, mas não poderia fazê-lo porque os alunos mantiveram, no momento, interminável greve que durou mais de um ano e meio. Em Guadalajara, publicou seus primeiros textos, que apareceu na revista Pan, dirigido por Juan José Arreola. Logo depois que se estabeleceram na cidade do México, a cidade, com alguns intervalos, era tornar-se no seu local de residência e onde, em 7 de janeiro de 1986, você seria surpreendido pela morte.
Já na capital, ele tentou novamente entrar na Universidade, incentivado por sua família para seguir os passos de seu avô, mas falhou nos exames de admissão à faculdade de direito e foi forçado a trabalhar. Em seguida, entrou o Ministério do Interior como um agente da imigração; Você deve rastrear estrangeiros que vivem à margem da lei. Ele jogou primeiras tarefas na capital para trabalhar então em Tampico e Guadalajara e depois, por dois ou três anos, explorar vastas áreas do país, entrando em contato com dialetos distintos, tão populares, o comportamento e a natureza de diferentes regiões e grupos populacionais.

Juan Rulfo com seu filho Juan Francisco (c. 1953)
Nesta vida, viajando, este contato com a realidade mexicana múltiplas, foi instrumental no desenvolvimento da sua obra literária. Mais tarde e sempre no mesmo Ministério do Interior, ele foi transferido para o arquivo de migração. Rulfo ganhado vida em obras muito diferentes: foi empregado em uma empresa que fez o pneu de borracha e também algumas privadas, empresas nacionais e estrangeiras. Ao mesmo tempo, dirigiu e coordenou vários trabalhos para o Departamento Editorial do Instituto Nacional Indigenista e também foi conselheiro literário centro mexicano de escritores, instituição que, no início, havia sido concedida uma bolsa de estudos.
O trabalho de Juan Rulfo, apesar de consistir apenas de dois livros, que lhe rendeu um reconhecimento geral ao redor do mundo de língua espanhola, reconhecimento que se materializou em prêmios, como o Museu Nacional de letras (1970) e o Príncipe de Astúrias da Espanha (1983); Ele foi traduzido para muitas línguas. Em 1953 ele apareceu o primeiro deles, del llano em llamas, que incluiu dezessete histórias (alguns dos quais estão localizados no mítico Comala), que são obras-primas reais de produção curto.
Quando, em 1955, Pedro Páramo, o único romance escrito por Juan Rulfo, o evento marca o fim de um processo lento, que tem sido o escritor há anos e que traz a riqueza e a diversidade de sua formação literária. Uma formação que tenha deliberadamente assimilado diversas literaturas estrangeiras, dos autores escandinavos modernos, incluindo Halldór Laxness e Knut Hamsun, até produções russo ou americano. Simplesmente se aproximando a estrutura do romance mais poética do que lógica, que tem sido denominado confundido por alguns críticos, de compreender o paciente trabalho duro do autor, o trabalho minucioso, que foi sua elaboração e que exigia a refazer muitos parágrafos, descartadas páginas e páginas já escritas.
Desde 1955, o ano do surgimento de Pedro Páramo, Rulfo anunciada várias vezes e em diferentes períodos, que estava preparando um livro de contos da publicação iminente, dias sem floresta, e outro romance intitulado a Cordilheira, que se destinava a ser uma região inexistente da história do México desde o século XVI até os dias atuais. Mas o autor não publicou nenhum livro. Em uma entrevista de 1976, Rulfo confessou que o romance projetado tinha terminado no lixo. De vez em quando, alguns dos seus textos apareceram nas páginas dos periódicos dedicados à literatura. Assim, em setembro de 1959, a mexicana literatura revista publicada com o título de um pedaço de noite de um fragmento de uma história do tema urbano; mais tarde, em março de 1976, a revista já! Ele incluiu dois textos inéditos de Rulfo: uma narração, desapropriaçãoe o poema a fórmula secreta.

Rulfo em seu estúdio (c. 1954)
Mas esta pequena produção literária tem servido como a inspiração e a base para um florescimento considerável de produções cinematográficas, adaptações de histórias e textos de Rulfo, que começou, em 1955, com o filme, dirigido por Alfredo B. Crevenna, Talpa, cujo roteiro é uma adaptação do Edmundo Báez do conto homônimo do escritor. Eles seguiram a desapropriação, dirigido por Antonio Reynoso (1960); Ferida de pombo, que, com o argumento rulfiano, dirigido pelo lendário diretor mexicano Emilio Fernández indiano; O galo de ouro (1964), dirigido por Roberto Gavaldón, cujo roteiro sobre uma ideia original do autor foi elaborado por Carlos Fuentes e Gabriel García Márquez. Em 1972, Alberto Isaac dirigido e adaptado para dois contos de filme de El llano em llamas e estréia mundial de 1976 é La Media Luna, filme dirigido por José Bolaños que é a segunda versão cinematográfica do romance Pedro Páramo.
Muitos foram reações jornalísticas e os obituários que foram publicados após a morte de Rulfo que com eles foi um livro intitulado os murmúrios, antologia jornalística sobre a morte de Juan Rulfo. Postumamente, coletados artigos que o autor havia publicado em 1981, na revista Proceso.

Cronologia de Juan Rulfo

1918Nascido em Sayula no estado de Jalisco.
1923Seu pai, um antigo proprietário de terras, é morto.
1927Morte de sua mãe. Juan Rulfo e seus irmãos permanecem à guarda da avó materna e depois ir para um orfanato.
1934Uma longa greve de estudantes impede a entrada na Universidade de Guadalajara. Ele publicou seus primeiros textos. Estabeleceu-se na cidade do México, onde ele tenta sem sucesso para entrar na faculdade de direito.
1936-46Ele trabalha no Ministério do Interior, como um agente de imigração.
1947Ele se casou com Clara Aparicio.
1953Ele publicou uma coleção de contos El llano em llamas.
1955Público o romance, Pedro Páramo.
1962Juntou-se o Instituto indiano de México, instituição que iria trabalhar até sua morte.
1970Recebe o prémio nacional de letras.
1983Ele ganhou o Prêmio Príncipe das Astúrias.
1986Morreu na cidade do México.

Obras de Juan Rulfo


Há uma linhagem peculiar de criadores, um grupo de escritores que foram capazes de colocar-se um universo em si, característicos, fechados, inventando lugares fabulosos, cidades servindo paisagem repetida para histórias que brotam de suas experiências, seu mundo e sua imaginação na literatura latino-americana contemporânea. Paradigmática é, a este respeito, o caso de Macondo, o quadro que o colombiano Gabriel García Márquez levantou-se então o Buendia trenzaran seu aprendizado da solidão; e a Santa Maria do uruguaio Juan Carlos Onetti não pode esquecê-lo.
Localizado em uma geografia reconhecível e ao mesmo tempo anônimo, ambos os lugares preenchem difusa fronteira que separa a realidade da fantasia, um lugar ou seja, também, o um infernal de Juan Rulfo, outro exemplo de um universo pessoal, criado pelo escritor para acomodar suas criaturas particulares. Macondo, Santamaria e Comala, lugares coerentes, reconhecíveis por suas peculiares características e tão diferentes, como são de seus respectivos autores, tem algo em comum: são o espelho que reflete as características e ambientes que o escritor conhece bem.

Juan Rulfo
Quando apareceu a planície em chamas, alguns críticos foram de Rulfo, apressadamente, como um escritor regionalista mais. No entanto, só demorou esperar dois anos, com o surgimento de Pedro Páramo, perceber o seu erro. O mundo fantasmagórico do romance, a ruptura das fronteiras entre vida e morte, um escritor que tinha superado os canais tradicionais e realistas de romances anteriores e inaugurada o novo narrativo mexicano, exausto, já mostrou o grão do chamado romance da revolução.
E que, deixando de lado alguns textos para o cinema (que foram incluídas na edição de suas obras completas em 1977), a produção de Juan Rulfo ferve para baixo para estes dois livros, que são no entanto uma das mais exclusivas coleções de narrativa latino-americana. Tematicamente, as duas obras têm uma junção regionalista, mas não incorram em um local pitoresco, que eles reintegrado na sua essência, a vida marginal e dura da província. Por outro lado, ele mostra uma original assimilação das técnicas da narrativa moderna de europeus e norte americanos.

Queima de planície

Dezessete histórias que compõem a coleção El llano em llamas, 1953, incide sobre a miséria e o campo de Jalisco de solidão e, através de uma recriação magistral do discurso camponês, reviver em suas histórias, as relações entre os homens e estes e a terra. As narrações do llano em llamas envolvem todos, com efeito, a vida dos camponeses mexicanos; Eles são contos de concisão extraordinária e fecunda, em cujas cenas de drama intenso bate o sopro poético do autor refletido em imagens de sensibilidade brilhante e um estilo que re-elabora e recria o discurso popular mexicano.
Mas, apesar desta última característica, que poderia ter se tornado a Rulfo regionalista ou escritor costumbrista, a persistência de suas questões centrais, a presença obsessiva de solidão e violência, o confronto com a morte, amor e mágoa, o funcionamento interno secreto da vida e os homens ou os quebra-cabeças que povoam as ruas de Comala é uma parábola brilhante do ser humano que transcende o âmbito do nacionalismo literário e demonstrar, novamente, que não existem sem fronteiras para a criação.

Juan Rulfo na capela do Tlalmanalco
Em uma das histórias, intitulado o homem, se entrelaçam linhas de tempo diferentes, de forma que um homem que tinha assediado por diante para dar morte e também a final com sua família, então se torna um ser perseguido e falando com um vingador invisível, ao mesmo tempo é visto como vítima e algoz. Há no Tom narrativo de pesadelo, porque, como aqueles sonhos em que tentarmos fugir sem sucesso, o homem foge, mas não para fugir, nunca. Sempre que ele é forçado a voltar, como se o horizonte fosse que você fechado, como se ela não existe além e o mundo seria um lugar fechado, onde culpa assume o peso de um destino inescapável. Como ele, Rulfo personagens nunca lançaram e sua angústia está lançando os longos monólogos em que o leitor está condenado a adotar o papel de confidente, confessor, coletando as últimas palavras dos condenados. Talpa, outras narrativas incluídas em o llano em llamas, um par de adúlteros deixa morrer o marido, enquanto eles fazem amor e a figura dos mortos apresentado é então constantemente entre eles. Fria violência presente em muitas das histórias dá força e vigor para a narração, que às vezes tem um toque de crueldade (homem, del llano em llamas) e outro ácido sarcasmo (o dia do colapso, Anacleto Morones).
Pedro Páramo
Publicado em 1955, Pedro Páramo recria, no espaço ficcional Comala, miséria e solidão do mundo camponês da infância do autor, onde a degradação física e moral arrastam as pessoas para o desespero e desorientação. O narrador e protagonista, Juan Preciado, percebem-se como medida de sua mãe a morrer foi em busca de seu pai, chefe Pedro Páramo, quem não conhece, e que levou a Comala à destruição pela sua turbulenta paixão por Susana San Juan.
"Eu vim a Comala porque me disseram que aqui viveu meu pai, um Pedro Páramo. Minha mãe me disse. E prometi-lhe que ele viria vê-lo assim que ela morreu." Assim começa o trabalho, marcado, ao mesmo tempo, simplicidade e spectrality da linguagem. Crítico mexicano Carlos Monsiváis de Rulfo disse: "um eixo de rulfiano o mundo é a religiosidade. "Mas a idéia-chave não está lá, mas aqui para sempre". Já na primeira página avisa que o lugar responde a uma lógica fantasmagórica: "em uma rua lateral, vi a senhora envolvida em seu xale que desapareceu como se isso não aconteceu".
Reunião com uma aldeia deserta e cheia de fantasmas você enche de pavor e apresenta-o em um mundo irreal. Pela boca dos mortos, sabe os eventos que ocorreram em Comala na vida de Pedro Páramo, chefe, que, em um contexto histórico que se estende desde o governo de Porfirio Díaz até a Obregón, levou para limitar o abuso de autoridade. Tornar-se um novo Dante às portas do inferno-Comala e impulsionado, como o autor da comédia, por uma Beatriz adoptou as aparências de um mulero, Juan Preciado descobre que queima o vale onde todos os habitantes são filhos do Páramo, onde todos estão mortos e a vida é apenas uma memória.

Poster do filme Pedro Páramo (1967),
baseado na obra de Rulfo
A história de Pedro Páramo vai revelando através de sussurros e entrevisiones dos fantasmas das pessoas, que apesar de ser morto e rancor de Pedro Páramo, mesmo que eles estão com medo. "Esta cidade cheia de ecos (...) Quando você andar você pode sentir que eles são a pisar-te os passos. "Ouvir chiar, riso". Mas a realidade assustadora de Comala não é imediatamente percebida pelo narrador; Só lentamente, muito lentamente, Juan Preciado adverte que é rodeada por cadáveres e morre, então, por sua vez, oprimido pelo peso insuportável do passado.
A grande inovação de Pedro Páramo reside na sua complexa construção textual. O tempo narrativo torna-se fragmentado, alheio à continuidade lógica todos e é representado pela memória e o design íntimo de cada técnica individual, que não aparece em outros escritores latino-americanos até a década de 1960. Juan Rulfo torna-se então, apesar de sua produção literária breve, um dos primeiros escritores latino-americanos com a clara consciência da renovação do romance, inspirado por sua própria tradição e figuras como Proust, Joyce e Faulkner.
Como em uma magna sinfonia, onde os temas e melodias são intercaladas e montar dirigido por uma vontade inabalável de orquestração, o texto dispensa separações por capítulos e lança-se numa construção que inclui trechos curtos, monólogos ou diálogos, vozes do povo, cuja origem deve adivinhar o leitor, para descrever o que Jean Franco tem descrito como "uma pesquisa para o paraíso, que termina no inferno da Comala". O romance é construído sobre a fronteira entre o real e o fantástico, e nessa ambigüidade em que fronteiras estão liberadas tanto as conseqüências histórico-social da revolução mexicana, representado pela violência, ódio, vingança generalizada e o abandono das terras e a pegada de um substrato indígena projetadas.
Cada uma das personagens na narrativa, cacique Pedro Páramo, assassino e ladrão, Susana, pai Renteria, Fulgor Sedano e muitos outros, são figuras icônicas, cujos traços, intensidade escuro e inquietante, já passaram à história da literatura universal; Embora, como já disse, o romance principal, como outras narrações do protagonista de Rulfo, é o quadro onde a ação ocorre, o universo de Comala onde nascem e morrem as ânsias e azia dos seus habitantes, "lugar mítico sobre brasas" que se torna inesquecível metáfora para um mundo de solidão e opressão, cruel e concurso apaixonado, ou interessado.
A enigmática história de Pedro Páramo e sua prosa, cheia de simbolismo escuro têm gerado, é claro, uma quantidade enorme de interpretações e foram pagos para que estudiosos procuram significados ocultos, metáforas, lançando uma fecunda tarefa de elucidação; a crítica tem inclinado em suas páginas e sem dúvida, continuar a fazê-lo por um longo tempo, para interrogá-lo na esperança de trazer à luz um significado inequívoco. No entanto, o próprio Juan Rulfo disse dela: "na verdade é a história de uma cidade que está morrendo por conta própria. Nada mata-lo. Não, ninguém mata-lo", uma interpretação que parece demasiado simplista para aqueles empenhados em um trabalho de pesquisa, esqueça qualquer romance é, na verdade, o trabalho de seus leitores e, portanto, em suas páginas, você pode encontrar todos os universos.
Publicado para fins educacionais com permissão de: Biografías y Vidas
Biografias de personagens históricos e personalidades

PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search